7 | Uma taça de cicuta

24Maio10

Sem pose, sem focos de luz, fumava sentado na penumbra o grande jornalista Rolland Müller. Na verdade, estivera ali a sua vida inteira, fora um dos que ergueram a Gazeta Capixaba, sem ter sido erguido em retribuição. Os rearranjos das chefias viraram a estrutura organizacional da empresa ao avesso com frequência, todavia mostraram-se sempre desfavoráveis a ele. Viu aprendizes tornarem-se seus chefes.

O velho não se submetia, não transigia, era um exemplo de firmeza de caráter. Esse não era o perfil adequado para os cargos políticos do jornal. O propósito de vida que Rolland Müller traçou, com sua teimosia alemã, foi ser decente e irrepreensível, e qualquer poder seria apenas uma consequência do reconhecimento dessas qualidades. Reconhecimento, de uma forma ou de outra, pode-se dizer teve algum; a consequência esperada, nunca se deu. Cometera um erro de cálculo.

Anúncios


No Responses Yet to “7 | Uma taça de cicuta”

  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s


%d bloggers like this: