Archive for the ‘Sonhos selvagens’ Category

Há um último tom de azul do dia, quando você só pode perceber que ainda não é noite se olhar para o céu, porque aqui embaixo já está tão escuro o quanto pode ficar. Com sorte, sua visão da abóbada pode se dar entre copas de palmeiras imperiais, sem nenhuma nuvem, só há este tecido […]